segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Casamento

.


Olá.


Depois de muito tempo, resolvi pegar um livro na biblioteca da minha escola (infelizmente, não terei muito mais tempo para pegar outro... só um mês, até acabarem definitivamente minhas aulas). O livro que peguei foi "Romeu e Julieta". Apesar de ser mais manjado que episódio de Chaves, eu acho muito bonita a história, e mesmo trágica, mostra o verdadeiro amor. Infelizmente, isso atualmente é algo utópico.


Uma coisa que eu sempre quis fazer é me casar. Sempre quis ser um cara bem sucedido, me casar, criar minha família, ter um(a) filho(a), dar uma vida boa a ele e a minha esposa, essas coisas de filmes, sabe? Mas, cada dia mais venho me desapontando com a situação do mundo. É dificílimo criar um filho nos dias de hoje. E também venho me decepcionando demais com as meninas de hoje em dia. Poucas são as que se dão ao valor, é difícil encontrar, mas tenho a sorte de conhecer garotas assim (mas isso não quer dizer que não seja o mesmo com os homens; é mais difícil ainda encontrar caras desse nível). Quando pensamos encontrar nossa alma-gêmea, sempre queremos nos casar, ter filhos, etc. E nem sempre é o certo a se fazer. Teve um dia que eu tava voltando da casa de um amigo meu, e era a mãe dele que tava me levando pra casa, de carro. Eis que começa um assunto: casamento. Ela quase que me desilude da ideia. Ela disse coisas que, apesar de serem tristes, é a realidade:


- Olha, Afonso, eu gosto da ideia de casamento por causa de ter filhos, tal. Mas, depois que você pensa achar sua cara-metade e se casa, começam brigas e brigas. Briga por causa de tudo, briga por causa das coisas mais idiotas possíveis. Mas o pior é quando o dinheiro entra na história e o casal passa a brigar por causa disso. O amor desaparece, o amor não é mais o mesmo de quando o casal namorava e curtiam as coisas, por exemplo, um sentia saudade do outro num simples momento do outro não estar por perto. Isso era uma coisa bonita. 


Eu ratifico o que ela diz porque meu pais são divorciados há 9 anos e lembro mais ou menos de como eram as coisas. Um não suportava mais o outro. Apesar de eu ser novo na época, eu sentia a tensão entre ambos. Por isso que quando eles decidiram se divorciar, eu aceitei numa boa.


Muitas pessoas se casam pelo impulso. Pelo amor do momento. Muitos acabam não pensando no amanhã e acabam cometendo coisas com essa. O casamento é algo sério. Mas quando eu falo de casamento, não tô falando do casamento no papel, em que se assina que está morando com o outro. Quero falar do casamento "unidos para sempre, até que a morte os separe". Isso é realmente sério. Claro que já fui idiota o suficiente de pensar em pedir minhas ex para morarem comigo, quem já não pensou em fazer? No mais, agora existe a sensatez.


De qualquer maneira, mesmo com todas as coisas ruins que acontecem nesse mundo e com o número de pessoas que não prestam, que se fazem de boas e depois mostram as verdadeiras caras, eu ainda acredito que o amor que existe no Romeu e Julieta pode acontecer aqui (sem tragédia, por favor). O jeito é esperar, tudo ao seu tempo.


Tchau.


.

domingo, 7 de novembro de 2010

Je t'aime

.


Olá.


Fazer essa pergunta é algo clichê, mas, independente disso: você percebeu como o "eu te amo" não tem mais valor? Que qualquer um recebe isso por qualquer motivo, às vezes sem a mínima intimidade com o interlocutor, e que muitos usam essa frase como um "bom dia"? Eu sei que isso é extremamente falado em comunidades do orkut, mas sinto que devo expôr a minha opinião à respeito.


Em minha opinião, esta frase deveria ser dita a alguém que você confia e tem um bom grau de intimidade. Não somente os seus melhores amigos de todo o sempre, claro, mas aqueles que você tem estima grande. E pode ser no momento que você achar que for o melhor, mas dizer toda hora vai acabar banalizando o seu sentimento para o outro.


Minha professora de português estava me dizendo que o marido dela é péssimo para dizer coisas assim para ela, em compensação, ela o dizia o tempo todo. Um dia, ela passou por uma péssima situação (assalto na casa, refém... nem especificarei). Ela disse que estava muito mal, não conseguia dormir direito, quando uma hora que ela estava muito mal, chegou o marido dela, a abraçou e a consolou, dizendo: "Calma, meu amor... eu te amo e estou aqui, não se preocupe". Ela disse que essa frase exerceu um impacto muito grande sobre ela, e isso a deixou muito melhor, consolando.


Eu acho isso uma coisa muito fofa, muito bonitinha. Eu não sei se eu seria capaz de omitir os meus sentimentos para falar apenas nas horas certas. Mas uma coisa que eu aprecio muito, também, é dizer "eu te amo" naqueles momentos que você tem certeza que é para ser dito e que cai muito bem na hora. Como quando você consola seus amigos, e você mostra a eles que eles podem claramente confiar em ti, quando você está naquele momento "love" - assim que eu chamo aqueles momentos em que você e sua pessoa amada (não necessariamente namorados ou correspondidos) conversam, estão felizes entre si -, e vocês acabam se amando apenas pelo fato do outro estar ali, conversando contigo (nesse caso, palavras são desnecessárias, e a frase cimacitada serve apenas para firmar a crença).


Falei nas comunidades do orkut lá em cima, e aqui achei uma bem bonitinha e que tem algo a ver com essa postagem.


http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=105999560


Não se deve dizer "eu te amo" para quem você realmente não sente. Você pode iludir o receptor e acabar desgastando sua palavra. Eu amo poucas pessoas, mesmo assim, isso não quer dizer que não vá existir mais pessoas que entrarão em minha vida. E ainda, tem pessoas que eu amo e elas nem sabem... por vergonha minha. Triste.


De qualquer forma, finalizando, não acredite quando seus ídolos disserem lá na frente que amam vocês, hahah. Eles gostam bastante de vocês, afinal, graças a pessoas como vocês que eles estão lá na frente; mas, amor? Duvido altamente.


Tchau.


.